Pages - Menu

terça-feira, 12 de novembro de 2019

Gato é adotado após interromper gravação de jornalista na Paraíba


Por
Mariana
-

Frajola interrompeu a gravação do repórter Artur Lira e conquistou o coração do jornalista, que encontrou um lar para o animal

Um gato ficou famoso na internet após interromper a gravação de um jornalista na Paraíba. O animal, no entanto, não conquistou apenas o coração dos internautas, mas também o do repórter Artur Lira, que após ser interrompido enquanto trabalhava, encontrou um lar para o gato.
Frajola, como passou a ser chamado, foi adotado por uma tia do jornalista. Através das redes sociais, Artur anunciou, na quinta-feira (7), a adoção do animal.
“TIVEMOS UM FINAL FELIZ!!! Todo mundo ficou triste porque minha mãe não pode adotar o gato. E como falei, eu entendo a decisão dela e de certa forma concordo. Mas, minha tia Neide decidiu fica com o Frajola. Eu tô muito feliz porque ele vai ficar na nossa família. Minha tia mora perto na minha casa, então eu vou sempre visitar ele”, escreveu o jornalista.
“Hoje no início da noite fui buscar ele na Central de Polícia, comprei ração, petiscos, pratinhos, coleira e levei ele pra casa da minha tia. Lá tem jardim grande e espaço pra ele correr e brincar. Amanhã vou levar ele pra castrar, tomar vacinas e dar um banho. Estou muito feliz e sei que vocês também. Agora nosso Dele Gato tem um lar pra receber ainda mais amor e carinho”, completou.
Foto: Reprodução/Instagram/@arturslira
Fonte: anda.jor.br

“Meu coração está em pedaços”, diz tutora de gato encontrado decapitado


Por
Mariana
-

O gato foi estava também sem o rabo. O caso é investigado pela polícia

Um gato foi encontrado decapitado em Bristol, na Inglaterra, após fugir de casa. Ru, como era chamado, tinha 10 meses de idade e sumiu no dia 7 de novembro.
Preocupada com o animal, sua tutora, Katie Ross, de 28 anos, fez uma publicação no Facebook pedindo ajuda para encontrá-lo. No dia seguinte, um vizinho dela contou que encontrou o animal morto em frente a sua casa.
“Eu estou de muletas no momento, então saí mancando de casa e pude ver seu corpinho sem vida na calçada. Isso me deixou em pedaços”, disse Katie à agência South West News Service. Após o companheiro dela chegar em casa, o corpo do animal foi levado ao veterinário para descobrir o que havia acontecido.

“A gente rezou para que fosse uma briga entre animais, pois isso é mais fácil de digerir do que pensar que um humano poderia fazer algo tão cruel”, afirmou. No entanto, a causa da morte foi um ato proposital feito por uma pessoa. “O corte em que retiraram a cabeça era tão limpo e reto, que não havia como um animal ter feito aquilo”, explicou.
Além de ter sido decapitado, o gato estava sem rabo. “Os assassinos de gatos, às vezes, o utilizam como uma espécie de troféu doentio”, disse. “Foi absolutamente devastador e meu coração está em pedaços pelo que aconteceu”, completou. Ru havia sido adotado em março de 2019, junto com Morty, seu irmão. Os dois tinham seis semanas de vida quando foram morar com Katie.
“Me dói saber que os responsáveis estão andando pela cidade como se nada tivesse acontecido”, pontuou.
De acordo com ela, a polícia está investigando o caso. O outro gato, explicou Katie, não terá acesso à rua em hipótese alguma. “Estou arrasada e não quero que isso aconteça com mais ninguém”, concluiu.
Por meio da internet, Katie começou a arrecadar fundos para pagar uma recompensa a quem tiver informações sobre o responsável por matar o gato.
Reprodução/South West News Service/Daily Star
Fonte: anda.jor.br

Campanha mostra como adotar um cachorro pode mudar a vida de uma pessoa


Por
Mariana
-

Adotar um cachorro traz alegria para a vida das pessoas e pode transformar a realidade de uma família

Uma campanha da marca de ração Pedigree mostra como a vida de uma pessoa pode se transformar após adotar um cachorro.
Ter um cão na família traz mais felicidade para o dia a dia das pessoas e, segundo a campanha, o convívio com esses animais acalma e relaxa os tutores, além de fazer com que eles se movimentem mais, o que permite que adoeçam menos.

Ao adotar um cão, a pessoa também passa a conhecer outras pessoas que adotaram animais e, assim, faz novos amigos. Além disso, os cuidados que os cães demandam, como a alimentação, fazem os tutores criarem uma estrutura que os ajuda a organizar melhor a rotina. As informações são do portal Hypeness.

A campanha, que foi lançada no final de 2018, também incentiva as pessoas a adotar animais ao invés de comprá-los, para não colaborar com um comércio cruel que objetifica seres vivos, e para ajudar a reduzir o número de animais abandonados.

A ação da Pedigree se baseia na ideia de que humanos e animais criam laços. E isso foi comprovado por um estudo feito pela Universidade Azabu, do Japão, e publicado na revista Science. Segundo os pesquisadores, o vínculo entre tutores e animais se constrói a partir de um processo hormonal ativado quando eles se olham. Essa ligação, de acordo com o estudo, é semelhante ao elo entre mãe e filho.
Fotos: divulgação
Fonte: anda.jor.br

Maus-tratos contra animais podem ser crimes federais nos EUA


O Senado dos Estados Unidos aprovou um projeto de lei que prevê que maus-tratos contra animais passam a integrar a lista de crimes federais.
O PACT – Prevenção à Crueldade e Tortura Animal – ainda precisa ser aprovado pelo presidente Donald Trump, de acordo com informações da CNN.
O projeto foi aprovado em 5 de novembro e é liderado pelos senadores Pat Toomey, do partido Republicano, e do democrata Richard Blumenthal.
Os maus-tratos previstos nessa lei e que podem ser considerados crimes federais são: afogar, queimar, esmagar, sufocar e empalar animais vivos. A exploração sexual de animais também está na lista.
Nos Estados Unidos, há quase dez anos, é proibido criar, vender ou distribuir imagens de pessoas torturando ou matando animais. A diretora de assuntos federais da ONG Animal Wellness Action, Holly Gann, afirma que os americanos estão atrasados. “Nós, como nação, não devemos tolerar abuso de animais”, enfatizou.
Fonte e foto : Metrópoles

Nota do Olhar Animal: Esconder da população os crimes contra animais não ajuda em nada evitá-los, muito pelo contrário.


Filmagem secreta revela violência e sofrimento extremos em matadouro de ovelhas


A organização de direitos dos animais Animal Equality liberou vídeos e fotos de uma investigação secreta que ocorreu entre julho e agosto de 2019 no matadouro Farmers Fresh Wales, em Wrexham, North Wales (Inglaterra). O que a organização capturou é absolutamente de cortar o coração, mas é também doentio o tanto de violência testemunhada e registrada que foi feita com a presença de um inspetor da Food Standards Agency.
A Animal Equality viu ovelhas serem colocadas em uma esteira transportadora que nem sempre funciona como deveria, o que significa que as ovelhas ficam dolorosamente presas no ar. Enquanto presas, elas são atordoadas e decapitadas. Pode-se ver as ovelhas aterrorizadas enquanto são cercadas por cadáveres de outras ovelhas e testemunham as mortes brutais. Os trabalhadores usaram de força extrema para colocar as ovelhas ao redor e o olhar de terror e vê-se pânico nos olhos dos animais.
A Diretora Executiva Interina da Animal Equality UK, Abigail Penny, disse para o One Green Planet: “Estes animais indefesos são tratados como matéria-prima, dispostos em uma esteira que os entrega à própria morte. Matadouros são lugares inerentemente implacáveis, e esta negligência sistemática, agravada por equipamentos mal projetados, causa ainda mais sofrimento para esses cordeiros e ovelhas aterrorizados. Nós exigimos Justiça para estes animais vulneráveis. A Food Standards Agency deve agir imediatamente contra a Farmers Fresh Wales e seu próprio funcionário que falhou em seu ofício. Se pessoas querem parar o sofrimento que ocorre nos matadouros, nunca foi mais fácil escolher opões à base de vegetais ao invés de carne”.
Mais cedo este ano, a organização de direitos dos animais Animal Aid também filmou uma investigação secreta no mesmo matadouro. A Animal Aid exigiu que o governo de Welsh tornasse obrigatório o uso de câmeras em matadouros em Wales. Os resultados ensejaram uma investigação criminal pela Food Standards Agency (FSA). Entretanto, durante a investigação conduzida pela Animal Equality, um inspetor da FSA esteve presente.
Isto prova que a FSA ignora tanta crueldade e maus-tratos. É preciso tomar uma ação real! Se você concorda, assine esta petição!
Mas a melhor coisa que você pode fazer ao saber como estes animais sofrem é deixá-los fora do seu prato. Verifique nossos arquivos de receitas veganas que podem ajudar você na transição para uma dieta baseada em vegetais e baixe nosso aplicativo Food Monster!
Para mais artigos sobre animais, Terra, vida, comida vegana, saúde e receitas publicados diariamente, inscreva-se no Boletim Informativo One Green Planet! Além disso, não se esqueça de baixar o aplicativo Food Monster no iTunes, que com mais de 15.000 receitas deliciosas é o maior recurso da receitas sem carne, veganas e antialérgicas para ajudar a reduzir sua pegada ambiental, salvar animais e ficar saudável!
Finalmente, ter financiamento do público nos dá uma chance maior de continuarmos a lhe fornecer conteúdo de alta qualidade. Por favor, considere nos apoiar fazendo uma doação!
Por Sharon Vega / Tradução de Fátima C G Maciel 
Fonte e foto: One Green Planet


Ativistas veganos argentinos colaram cartazes com os dizeres ‘Violência é comer animais’


Um grupo local se somou às atividades do grupo de ativistas dos direitos humanos chamado “Voicot”. Durante o fim de semana, colaram cartazes em diversos pontos da cidade com frases contra o consumo de carne e seus derivados.
“Violência é comer animais”; “Até que a última jaula esteja vazia”; “Chega de matar animais”; e “Libertação animal, libertação humana” são algumas das frases que podia-se ler em cartazes que apareceram no último fim de semana de outubro em San Pedro, na Argentina.
Os cartazes tinham a assinatura de Voicot.com e foram colados em diversos pontos da cidade por ativistas veganos locais que se somaram a esse grupo que trabalha pela defesa dos direitos dos animais no país “não por sensibilidade, mas por justiça”, conforme afirmam.
Os residentes que se reuniram para gerar ações relacionadas com a difusão das propostas veganas procuram adesões, garantiu ao jornal La Opinión Luciano Giménez, que enviou as fotos da atividade do fim de semana.
Nos últimos anos, as posições que defendem a vida animal e propõem um consumo de alimentos, indústria, acessórios e todo tipo de objetos que não provenham da exploração animal vêm crescendo em adeptos.
Em alguns casos por moda, outros por interesse real, muitos jovens se somaram a esse tipo de iniciativas, apesar de ser preciso tomar precauções necessárias a respeito das dificuldades alimentícias que poderia acarretar a mudança de hábito.
Tradução de Alice Wehrle Gomide
Fonte e foto: La Opinion 


PRF resgata aves silvestres transportadas irregularmente em bagageiro de ônibus na Bahia


Pássaros silvestres que eram transportados no compartimento de malas de um ônibus de turismo foram resgatados pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), no final da tarde de domingo (10), em Vitória da Conquista, no sudoeste da Bahia.
De acordo com a PRF, os animais foram achados durante uma fiscalização na BR-116, trecho do município. Os policiais encontraram 36 pássaros das espécies conhecidas popularmente por trinca-ferro, papa-capim, cardeal e canário da terra. O compartimento de bagagens, onde os animais estavam, não tinha nenhum tipo de ventilação.

A polícia informou que o veículo de turismo seguia de São Paulo (SP) para Buique (PE). O responsável pelos animais, um homem de 38 anos, não apresentou qualquer documentação emitida por órgãos ambientais.
A PRF informou que quando questionado, o homem disse que pretendia comercializar os pássaros na cidade pernambucana de Buique.
Após o flagrante, foi lavrado um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO), e o passageiro responderá na Justiça por crime contra o meio ambiente.
As aves foram encaminhadas ao Centro de Triagem de Animais Silvestres (CETAS), na cidade de Vitória da Conquista (BA) para serem devolvidos à natureza.
Fotos: Divulgação/PRF
Fonte: G1